Análise: Dwar7s Outono, da Mandala Jogos

Dwar7s Outono foi um jogo que me despertou zero interesse inicialmente. Acho que, como quem acompanha regularmente o blog e o canal sabem, eu estou bem cansada da temática medieval e de fantasia. Assim sendo, a ideia de montar um reino de anões não é nada atrativa para mim. Porém, o jogo reúne uma combinação de mecânicas e regras bem simples, mas muito bem amarradinhas. Eu gosto muito disso, quando o jogo é redondo e fica claro o esquema ação-reação.

Exemplo de partida em andamento com 2 jogadores.

Aprender o jogo é bem fácil e rápido, ele tem uma barreira de entrada praticamente inexistente. É possível jogar tranquilamente com novos jogadores. Dwar7s Outono brilha nos pequenos detalhes que dão o teor estratégico ao jogo, fazendo com que seja uma opção interessante também para jogadores mais experientes. O problema disso é que em uma mesa misturando os dois tipos de jogadores a chance dos novatos serem massacrados é bem grande, o que pode ser desestimulante ou frustrante para alguns. É um jogo que leva uma ou duas partidas para pegar a malícia.

Os jogadores em Dwar7s Outono possuem a mesma 9 cartas: minas, castelo, troca objetivo, ogro, troll e dragão, sendo essa quantidade também o limite de mão. As ações do jogo são apenas duas: baixar uma carta e alocar anões nas cartas. Em seus turnos, os jogadores podem realizar três ações em qualquer combinação. Cada carta pede uma quantidade específica de anões para realizar seu efeito. O final do jogo é disparado quando um jogador cumpre o terceiro objetivo.

Todos os jogadores começam a partida com as mesmas 9 cartas na mão.

Os jogadores começam a partida com um objetivo individual secreto, os demais ficarão abertos na mesa. Sempre teremos 3 objetivos disponíveis para serem cumpridos. Os requisitos são sempre combinações dos quatro gemas presentes no jogo, a quantidade de pontos é variável de acordo com o nível de dificuldade. As gemas são cartas que vão para a mão dos jogadores. Assim sendo, é preciso baixar logo as cartas iniciais para abrir espaço para guardar as cartas de gemas. A questão é que nem sempre é vantagem colocar tudo tão rapidamente em jogo.

Objetivos secretos.
Demais objetivos.

As cartas de troca objetivo, troll e dragão podem ser mais vantajosas de segurar para um uso posterior dependendo do andamento da partida, mesmo as minas podem sofrer com essa questão. Colocar ou não em jogo depende muito do que os oponentes estão jogando. Por exemplo: Se já tem minas azuis em jogo, talvez seja mais vantajoso segurar a sua um pouco. Um anão de outro jogador pode trancar uma mina futuramente ou jogar uma mina de outro tipo em cima daquela. É um jogo com bastante formas de manipulação e as situações são bem variáveis.

Para cumprir um objetivo não basta conseguir reunir as gemas solicitadas, após isso ainda é preciso colocar seus anões na carta de troca objetivos, então é muito comum que um oponente tente trancar essa carta, principalmente ao notar que você está próximo de cumprir um objetivo que concede uma pontuação grande. Saber o momento certo de baixar sua própria carta de troca objetivo pode dar uma boa vantagem estratégica.

Um único anão vermelho está alocado na carta de troca objetivo apenas para travar o espaço e impedir sua utilização pelo oponente.

A única carta que é claramente vantagem jogar logo no início é o castelo, pois ele concede ao jogador uma quarta ação, além de possibilitar recuperar cartas que estão em baixo de outras cartas. Para jogar uma carta sobre a outra basta que ambas sejam do mesmo tipo. O castelo também serve para determinar o seu reino, que será formado por todas as construções dentro da muralha. Essa é uma questão muito importante do jogo, além dos pontos de objetivos, os jogadores pontuam também pelo tamanho do reino. É preciso se manter atento a isso, uma muralha bem ou mal colocada pode fazer grande diferença no resultado final.

O castelo vermelho foi posicionado de forma a evitar o efeito negativo da carta do troll. Assim sendo, apenas o castelo verde está com sua habilidade anulada.

Além de tudo o que já foi exposto, o jogo ainda dispõe de três formas de ataque direto. As cartas de ogro são as mais efetivas porque são ações ativas instantâneas que não são podem ser bloqueadas. Já as cartas de dragão e troll possuem um efeito passivo de desativação de efeito de localidades nos reinos onde forem colocadas, elas podem ser anuladas ao alocar a quantidade de anões solicitada na carta. Isso ainda concede ao jogador 3 pontos. Em virtude disso, é comum jogar essas cartas mais na intenção de ganhar esses pontos do que prejudicar o oponente.

Cartas de ogro.

Dwar7s Outono é um jogo com partidas bem rápidas e bastante interação entre os jogadores. Além disso, ele é bem fácil de explicar e não exige muito espaço. É um jogo também de fácil transporte, pois a caixa é pequena e seus componentes se resumem a uma quantidade relativamente pequena de cartas e os conjuntos de meeples de anões de cada jogador, o que o torna bastante leve.

Um jogo bastante compacto. Fácil de carregar para qualquer lugar.

A arte do jogo é bem bonita, apesar de considerar o tema pouco atrativo. Ele está sendo vendido a R$ 109,90, o que considero um preço bastante vantajoso para o que é oferecido. O jogo ainda possui um modo solo para o qual é necessário comprar um playmat no valor de R$40. Eu tenho usado o playmat nas partidas multiplayer do jogo só pelo fator beleza e acho que é uma aquisição que vale a pena, apesar de não agregar nada em jogabilidade.

Playmat bem bonito para incrementar o jogo.

Dwar7s Outono pode ser adquirido nas melhores lojas do ramo. Nossa recomendação é a Game Of Boards, a casa do boardgamer carioca. Além de comprar com um ótimo preço e um super atendimento, você ainda pode dar aquela testada para ter certeza do que está levando para casa. Eles possuem programa de aluguel de jogos e também a jogatina semanal toda sexta-feira a partir das 18h. Estamos sempre por lá, se quiser jogar com a gente ou trocar uma ideia é só chegar.

Confira a seguir o Turno Cast sobre Dwar7s Outono:

Em breve, vai ao ar uma entrevista que gravamos com Luis Brueh, autor do jogo. Fiquem ligados e façam a inscrição no canal para não perder nenhum vídeo.

Foto tirada com Luis Brueh na jogatina de sexta-feira da Game Of Boards.
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *