[Mês da Mulher] Game designers brasileiras

Sexta-feira, dia 22, nós recebemos para a nossa quarta live especial do Mês da Mulher: Andreza Farias (Casa do Goblin), Sabrina do Valle (Sereias) e Samanta Talarico (Potato Cat) para conversarmos sobre mulheres desenvolvedoras de jogos.

A Potato Cat foi criada pelos game designers Samanta e Kevin Talarico para viabilizar o lançamento de seus próprios jogos no mercado, até o momento foram 3 títulos lançados pela dupla: Cartas a Vapor, Café Express e New Eden Project.

Samanta Talarico posa com suas criações. Atrás ainda podemos ver o Prêmio Turno Extra de Melhor Lançamento do DOFF SP 2018 pelo jogo Café Express.

Durante o nosso bate-papo, Samanta conta um pouco sobre suas experiências na área, o processo de criação de seus jogos e os planos para a editora, que está expandindo sua atuação e começou a investir em jogos desenvolvidos por outros game designers.

Após uma primeira experiência com a linha de micro-jogos (JetPack Lhama, Magic Flow e Sudokiller), criação do game designer Iaggo Piffero, da Diceberry Editora; a Potato Cat está chegando com o Sereias, trabalho de estreia dos game designers Sabrina do Valle e Jorge Luis Rocha.

Sabrina começou a se descobrir como game designer durante o processo de desenvolvimento do Sereias. Ela nos conta sobre a criação do jogo e a expectativa para o financiamento coletivo do jogo, que está a poucos dias de entrar no ar.

Sabrina do Valle apresentando o Sereias no estande da Potato Cat no DOFF SP 2018.

Por não possuir um curso formal na área, Sabrina relata que teve dúvidas se esse era mesmo o seu caminho ou não. Ela conta que só começou a se sentir segura ao desenvolver seu primeiro jogo sozinha. Sabrina encontrou muito apoio no estúdio colaborativo Casa do Goblin, que tem como uma das idealizadoras Andreza Farias.

Atualmente Andreza Farias e Sabrina do Valle estão desenvolvendo juntas o Shodo, que tive a oportunidade de testar recentemente. O jogo surgiu de um desafio promovido na Oficina do Playtest, encontro semanal de game designers para discussão e teste de jogos, que surgiu com o apoio da Casa do Goblin.

Andreza e Sabrina posam com a caixa do protótipo de Shodo.

Andreza Farias explica a sua trajetória e trabalhos realizados em conjunto com Sanderson Virgolino. Assim como Samanta e Kevin, da Potato Cat, o casal também se conheceu na faculdade. Sendo uma pessoa bastante tímida, durante bastante tempo o seu trabalho como game designer ficou um tanto quanto escondido, sendo mais conhecida pelo seu trabalho na parte gráfica e de arte.

É muito bom ver cada vez mais mulheres surgindo nesta área. Quando comecei a jogar não havia nenhuma brasileira, pelo menos que eu tivesse notícia, creio que a Samanta Talarico foi uma das primeiras que tive conhecimento. Sei que existe mulheres que atuam no mercado voltado para os jogos educativos, mas é uma área mais a parte, cujo foco não é tanto o comercial, a criação de entretenimento.

Este ano tivemos como um dos jogos de maior destaque dentro do mercado nacional o jogo Grasse, criação dos game designers Bianca Melyna e Moisés Pacheco. Porém, a trajetória do Grasse até sua publicação não foi fácil, e isso em grande parte por questões de preconceito.

Grasse é um dos jogos nacionais mais elogiados dos lançados em 2018.

Mesmo agora, depois de publicado o jogo e recebendo o merecido reconhecimento, Bianca ainda enfrenta problemas relacionados a sexismo. Ela postou um texto (clique aqui) no Dia da Mulher sobre a questão  que recomendo  fortemente a leitura.

Para quem estranhou sua ausência, Bianca foi convidada a participar do nosso bate-papo, mas não aceitou o convite por não desejar participar de nenhuma atividade relacionada a data, após ler o texto mencionado pude compreender melhor sua motivação. Mas, espero ainda recebe-la aqui em outra oportunidade para conversarmos sobre seu trabalho.

Não posso terminar esse texto sem citar mais dois jogos que tem tido bastante destaque: o infantil Macacos Me Mordam, de Isabel Butcher e Graziela Grise, e o familiar Abstratus, que tem entre seus game designers a Thelma Löbel. Nós  aqui do Turno Extra conversamos recentemente com ambas. A Isabel e a Graziela nesta nossa programação especial de Mês da Mulher (clique aqui) e a Thelma, junto com o Alberto Duvivier, em janeiro, falando sobre o processo criação do jogo (clique aqui).

Agora temos Sabrina do Valle e Andreza Farias dando os seus passos iniciais e torcemos para que muitas outras mulheres surjam desenvolvendo jogos e trazendo mais diversidade para o nosso mercado. Como foi comentado durante a nossa conversa, uma mulher desenvolvendo tem um olhar diferente.

O Sereias é um bom exemplo, as responsáveis pela arte e design gráfico também são mulheres, isso tornou o processo de criação de uma imagem que fosse diversificada na representação dos corpos bem mais fácil . Não foi preciso especificar que elas não deveriam ser sexualizadas, foi um entendimento natural.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *