2º Encontro de Desenvolvedores Independentes de Jogos de Mesa

Sábado, dia de 29 de junho, nós comparecemos ao 2º Encontro de Desenvolvedores Independentes de Jogos de Mesa, que ocorreu na ECDD – Escola de Comunicação e Design Digital, que fica localizada no Rio de Janeiro. O evento foi idealizado e organizado pela Casa do Goblin e pela Trio Jogos com o objetivo de promover o aprendizado através da troca de experiências entre os seus participantes.

Um espaço para livre circulação de ideias.

Durante o período da manhã, tivemos jogos da Casa do Goblin, Trio Jogos e Oficina do Playtest em exposição e a conversação entre os presentes foi livre. No período da tarde, tivemos uma palestra com o pessoal da Trio Jogos sobre a experiência deles com a criação de jogos e questões relacionadas a publicação. A Trio Jogos tem o jogo Soberano com contrato assinado para ser publicado com a Conclave Editora.

Palestra da Trio Jogos
Soberano, da Trio Jogos.

A questão da publicação é motivo de grande ansiedade, preocupação e dúvidas entre os game designers. Acho que ninguém cria um jogo para ficar em uma gaveta. Todos tem o sonho de ver a sua criação chegar às mesas dos jogadores, porém é preciso ter cuidado para que em nome disso não se abra mão indevidamente daquilo que lhe é de direito.

Criar jogos pode ser um sonho para alguns ou apenas um hobby para outros, mas nunca deve-se esquecer que se trata de um trabalho, e que como tal precisa ser remunerado adequadamente. Não cabe a discussão se a pessoa pretende ou não viver daquilo, isso só desvia o foco do que é fundamental.

Parece que quando a temática é nacional fica ainda mais difícil o caminho para a publicação. Quilombolas, de Valter Bispo, em exposição na mesa da Oficina do Playtest.

Acho que todos nós que acompanhamos o mercado um pouco mais de perto já percebemos por diversas vezes anúncios de jogos sendo assinados com editoras, o tempo vai passando e nada de publicação. Por que isso acontece? O que fazer para mudar esse cenário? Essas são apenas algumas das questões discutidas durante o encontro.

Eu fico bem triste ao ver a realidade do cenário de publicação de jogos nacionais. Temos bons títulos sendo publicados, mas ainda são tão poucos. E em sua maioria, só são viabilizados pelo grande esforço de seus próprios autores.  Muitos game designers talentosos que conheci quando entrei no hobby cerca de 5 anos atrás ainda não conseguiram publicar nenhum dos seus jogos. Tem gente com jogo publicado lá fora, mas nada ainda no Brasil.

Muito talento, poucas oportunidades.

Acha que eu estou exagerando? Compara a quantidade de títulos nacionais publicados com a quantidade de títulos estrangeiros. E eu vejo uns jogos saindo aqui que realmente não dá para entender o porquê. São uns títulos desconhecidos e genéricos até a última pecinha da caixa. Às vezes, eu acho que é alguma obrigação contratual tipo “para lançar X, tem que lançar também Y e Z”.

Enquanto isso, tem game designer brasileiro fazendo cada jogo incrível, que dá de 10 em muito jogo gringo despejado aqui, e não consegue sair do tapinha nas costas ou do contrato eterno. Tanta gente sendo inovadora no nosso país e a gente olhando para fora esperando a próxima modinha.

Nossa cultura é tão rica, por que ela aparece tão pouco em nossos jogos? Cordel, de Jorge Luis Rocha, também em exposição na mesa da Oficina do Playtest.

Uma iniciativa de reunir os desenvolvedores para trocar informações era extremamente necessária, pois apenas unidos é possível buscar uma maior, e mais justa, valorização de seus trabalhos. Individualmente suas vozes são pequenas, mas juntas elas poderão ser melhor ouvidas. Acredito que estou vendo os primeiros, e ainda tímidos, passos de uma longa caminhada.

Participantes reunidos naquele tradicional foto de final de evento.

Parabéns Casa do Goblin e Trio Jogos por plantarem uma semente que eu espero ver dar muitos frutos. Fica aqui a nossa torcida para que cada vez mais desenvolvedores de jogos se interessem em participar dos encontros, que estão planejados para acontecerem mensalmente.

Confira a nossa conversa com os organizadores e alguns dos participantes:

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *