Análise: Dead & Breakfast, da Braincrack Games

Dead & Breakfast é um jogo de colocação de peças em que os jogadores disputam quem consegue construir o melhor hotel mal-assombrado. Lançado através de uma bem-sucedida campanha de financiamento coletivo pela Braincrack Games, trata-se do primeiro trabalho publicado do game designer carioca Rodrigo Rego.

Desde que entrei no hobby (por volta de 2013), acompanho com interesse cada novo protótipo apresentado por ele para playtest, aguardando quando enfim chegaria o tão merecido momento da publicação, que acabou acontecendo de forma surpreendente fora do Brasil.

Infelizmente, apesar da quantidade crescente de editoras em nosso país e do Rodrigo já ter títulos negociados para lançamento por aqui, ainda parece haver muitos entraves que dificultam a publicação dos jogos nacionais. É bastante comum uma grande demora entre o anúncio e o efetivo lançamento, o que leva a um desperdício de investimento em divulgação.

Além disso, são bem raras as publicações diretas, a grande maioria ainda depende muito do financiamento coletivo, em que os já famosos problemas de atraso de entrega e qualidade final do produto acabam sendo uma fonte desmotivação para o público. Poucas são as editoras que conseguem cumprir os cronogramas informados e entregar um material satisfatório.

Devido a essas dificuldades, um caminho é tentar a publicação fora do país, como fez o Rodrigo. Ele é um defensor de que a melhor opção para novos game designers é se inscrever nos concursos internacionais, tendo publicado alguns textos com dicas sobre este assunto e outros relacionados ao desenvolvimento de jogos na página da Mansão das Peças, coletivo de game designers do qual participa. Recentemente, Rodrigo criou uma página própria e uma newsletter onde divulga seus textos e projetos. Vale a pena dar uma conferida.

Dead & Breakfast teve um espaço bem curto entre a campanha de financiamento coletivo e a entrega aos apoiadores. A qualidade do produto também ficou dentro de um bom padrão. Achei estranho que nenhuma editora nacional tenha entrado em parceria no financiamento coletivo junto com a Braincrack Games ou ainda não haver nenhum anúncio de lançamento de uma versão brasileira do jogo, pois se trata de um título realmente muito interessante para quem gosta de jogos de Puzzle, estilo que parece ser a especialidade do Rodrigo.

Com regras simples, poucos componentes, tempo de partida curto e temática bem humorada, Dead & Breakfast talvez possa passar uma falsa imagem de jogo tranquilo. Porém, não se deixe enganar, ele é um Puzzle de fazer ferver os neurônios, isso ocorre devido aos diversos fatores que precisam ser observados no momento da escolha e colocação das peças, sejam elas de janelas ou hóspedes. Ao mesmo tempo, em que o jogo exige um bom planejamento, também é exigido do jogador uma boa capacidade de adaptação às mudanças de situação.

COMO JOGAR

Cada jogador começa apenas com a porta do seu hotel mal-assombrado. Nela temos as primeiras heras e flores, uma das formas de pontuação do jogo. Todas as flores das mesmas cores  nas demais peças que formarem o hotel, se estiverem devidamente ligadas pelas heras até a entrada, dão pontos.

As possibilidades de portarias existentes no jogo.

O hotel é construído no formato 5X5, cada peça possuindo duas janelas, que podem ser tanto verticais quanto horizontais. A cada novo andar (horizontal) finalizado, os jogadores deverão comprar uma peça de hóspede e posicionar sobre uma das janelas, cada um deles traz um tipo diferente de exigência a ser atendida.

Cada hóspede pede um tipo de criatura na coluna ou linha em que eles forem colocados.
Exemplo de um hotel no fim da partida.

– Escolhendo uma peça

Sempre ficarão abertas 6 peças sobre a mesa, porém o jogador só tem a sua disposição para comprar as 3 primeiras no sentido horário. O marcador do fantasma serve para mostrar onde a contagem começa. Ao comprar a peça, o marcador passa para o local onde ela estava. Um esquema que faz com que os jogadores tenham uma certa possibilidade de planejamento ao saberem as opções futuras.

O marcador de fantasma é a coisa mais fofa.

Como tudo no jogo é aberto, isso faz com que aconteça bastante interação entre os jogadores, pois cada escolha pode fazer muita diferença. O jogador precisa pensar não apenas no que é melhor para sim, mas também no que pode atrapalhar os oponentes.

Conectar as heras não é necessariamente obrigatório, mas é algo bastante desejável para efeitos de pontuação. Por causa disso, o jogador pode abrir mão de comprar 1 peça de hotel para comprar 2 peças de hera. Porém, o movimento do marcador do fantasma será realizado da mesma forma, só que a peça escolhida será descartada.

A peça da hera facilita as conexões, mas é um espaço perdido de pontuação.

– Pontuação

Além das pontuações resultantes das flores ligadas pelas heras e do cumprimento das exigências de cada um dos hóspedes, o jogo ainda oferece uma terceira forma de pontuação. São diversas peças com critérios variados que podem ser utilizadas para aumentar ainda mais a competitividade. 

O manual orienta a adoção de um desses critérios, apenas em partidas mais avançadas, quando as regras já estiverem bem aprendidas.

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Dead & Breakfast é uma boa opção para fazer parte da coleção tanto de jogadores mais casuais quanto de jogadores mais experientes, pois é simples para aprender sem deixar de oferecer um bom nível de complexidade. Porém, o quão desafiadora uma partida vai ser dependerá da disposição de seus participantes. Apesar da forte interação na compra das peças, ela fica limitada apenas a esse ponto específico, não há nenhuma possibilidade de interferência direta no hotel  em si de cada jogador.

Eu gosto muito da temática do jogo, foi um dos motivos que me atraiu nele. Eu gosto de jogos com alguma pegada de terror, mas que fogem do que é mais batido no estilo. O toque de humor foi uma escolha muito acertada e ficou na medida certa, dando uma leveza ao jogo. O tema contribuiu também para escolhas interessantes em termos de artes, além do marcador do fantasma, eu também adoro o tom de roxo utilizado.

Apesar de ser de um game designer brasileiro, por não ter sido publicado por uma editora brasileira, infelizmente não é um jogo atualmente muito fácil de comprar por aqui. Porém, ainda é possível de encontrar em loja nacional, conforme pesquisa realizada no momento em que este texto foi escrito, e com um preço bastante justo.

Confira também a nossa análise em vídeo:

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *