Análise: Deusastrados, da TGM Editora

Deusastrados, do game designer Alexander Francisco, é mais um ótimo jogo festivo nacional lançado no mercado pela TGM Editora. Ele comporta 2-4 jogadores e utiliza uma eficiente combinação de Ação Simultânea com Poderes Variados, Reconhecimento de Padrões e Toma Essa. Destaque para a bela arte de Guilherme Cavalcante.

Jogo montado para iniciar uma partida com 4 jogadores.

Em Deusastrados, os jogadores são Deuses tentando conceber, antes uns dos outros, novas criaturas para povoar um mundo que também ainda está em formação. Por isso, as limitações vão surgindo de surpresa ao longo do processo, fazendo com que seja necessário que os Deuses utilizem seus Poderes para rapidamente adaptar suas criações às demandas da nova realidade.

Devo confessar que Deusastrados foi uma agradável surpresa para mim, não esperava que fosse me divertir tanto com ele. Acredito que seja o melhor título lançado pela TGM Editora até agora. Achei a ideia do tema bastante criativa e divertida. Não é necessariamente inovadora, mas recebeu uma abordagem muito certeira. As regras são simples, como precisam ser, e sem desperdícios. Não há espaço para sobras. É um jogo bastante conciso e coeso.

COMO JOGAR

Cada jogador recebe as cartas de Poderes de um determinado Deus e uma régua com a ordem das ações. São 5 cartas comuns, iguais para todos os jogadores, e 2 cartas especiais, exclusivas do seu próprio Deus. Além disso, cada Deus também concede uma habilidade única.

Componentes individuais de cada jogador.

As cartas de Partes são embaralhadas e espalhadas no centro da mesa para facilitar o acesso de todos os jogadores. Os 9 Marcadores do Caos são separados pelas 3 partes (cabeça, tronco e pés) e embaralhados separadamente, 6 (2 de cada uma das 3 partes) serão utilizados na partida e 3 (1 de cada uma das 3 partes) voltarão para caixa do jogo.

Tabuleiro do Caos e seus respectivos marcadores.

Os 6 Marcadores do Caos sorteados serão então embaralhados e um primeiro marcador deverá ser posicionado no Tabuleiro do Caos, os demais ficarão ao lado do tabuleiro para serem utilizados durante o decorrer da partida. O marcador deve cobrir a figura correspondente. O tabuleiro também serve para realizar a contagem da pontuação.

Os marcadores vão entrando aos poucos no Tabuleiro de Caos ao longo da partida.

Uma partida de Deusastrados tem a duração de 4 rodadas, sendo cada uma delas divididas em 4 fases:

1- Criação: Ocorre de forma simultânea. Todos os jogadores pegam as cartas de Partes do centro da mesa. Eles podem jogá-las para si mesmos ou para outros jogadores. A fase termina quando todos os jogadores tiverem completado o número de criaturas exigidas naquela determinada rodada (1/ 2/ 3/ 3). Os jogadores só podem utilizar uma das mãos e devem pegar uma carta de cada vez.

Exemplo de duas criaturas montadas no fim da fase de Criação da 2ª Rodada.

 

Os Marcadores de Caos identificam quais são as características que uma criatura não deverá ter para poder habitar o novo mundo. Eles são acumulativos. Assim sendo, um jogador ao pegar uma carta de Partes indesejável deverá tentar se livrar dela jogando para um de seus oponentes que ainda tenha espaço disponível para isso. É a parte mais divertida do jogo.

Ordem do Caos: Um novo Marcador de Caos é posicionado no Tabuleiro de Caos.

2- Poderes: Após as criaturas estarem formadas, os jogadores deverão escolher uma das cartas de Poderes do seu Deus para jogar. Este é o momento para tentar melhorar suas criaturas, protegê-las ou prejudicar algum oponente. Porém, é preciso ter cuidado na escolha, pois essas cartas são uso único na partida. Apenas a habilidade do próprio Deus pode ser utilizada de forma constante. É a parte mais estratégica do jogo.

Exemplo de resultado possível durante a fase de Poderes.

As cartas de Poderes são jogadas fechadas sobre a mesa e devem ser reveladas todas ao mesmo tempo. Elas são numeradas para definir a ordem de resolução, que é realizada de maneira decrescente. O desempate ocorre por proximidade do jogador da vez, em sentido horário. Essa é a única utilidade da Miniatura do Caos, além de ser bonitinha.

Miniatura do Caos é um luxo para marcar o jogador da vez.

O manual sugere que em um modo básico não seja utilizada a habilidade do Deus e nem suas 2 cartas especiais. Assim teríamos uma partida em que todos os jogadores teriam as mesmas 3 cartas comuns de Poderes. Eu acho um modo um pouco sem graça de jogar. Não recomendo.

Ordem do Caos: Um novo Marcador de Caos é posicionado no Tabuleiro de Caos.

3- Caos: Hora de descartar as cartas de Partes indesejáveis das suas criaturas, de acordo com os Marcadores que estiverem posicionados no Tabuleiro de Caos.

4- Pontuação: Os jogadores ganham 1 ponto para cada carta de Parte restante e 1 ponto extra para cada criatura completa.

No final da rodada, as criaturas completas são descartadas. As cartas de Partes restantes permanecem para a próxima rodada. A Miniatura do Caos é passada para o próximo jogador em sentido horário.

CONCLUSÃO

Deusastrados é um jogo muito legal para jogar tanto com os amigos quanto com a família. Suas regras são simples e o tempo de partida é curto. Tem uma boa dose de interação e aleatoriedade descompromissada que mantém o jogo leve, mas sem deixar de oferecer um elemento estratégico.

Partida de Deusastrados em andamento.

Com arte de uma beleza que enche os olhos, seus componentes, de maneira geral, são de boa qualidade. Entretanto, as cartas precisam ser sleevadas. Minha única crítica vai para o valor do jogo que considero relativamente elevado. Eu gosto bastante do trabalho da TGM Editora, mas sempre acabo lamentando seus preços, digamos, pouco competitivos.

Veja também a nossa análise em vídeo:

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *