Análise: Porradaria, da Estação Q

Porradaria é um pequeno, rápido e divertido jogo de batalha de cartas criado e lançado de maneira independente por Jorgson Smith Jr, João Toledo e Thiago Hara, do estúdio de criação Estação Q. Sua inspiração temática foram os clássicos jogos de luta dos videogames, tais como Street Fighter e Mortal Kombat, e possui principais mecânicas são Gestão de Mão e Toma Essa. Com apenas 55 cartas, o jogo comporta de 2-5 jogadores e foi viabilizado em parte através de um financiamento coletivo no Catarse.

Visão geral dos componentes.

Foram lançadas 2 caixas de Porradaria, cada uma com 5 personagens. Elas funcionam de maneira independente e podem ser combinadas como os jogadores desejarem, até mesmo para aumentar o número de possíveis participantes de uma partida, que pode chegar assim a até 10 jogadores.

Arte dos personagens.
Informações utilizadas no jogo.

COMO JOGAR

Cada personagem possui o seu conjunto próprio de 8 cartas indicado por sua cor: 2 Armas, 2 Campos de Batalha e 4 Porradas. Seus valores são variáveis. Na carta de personagem em si, que irá ficar aberta na frente do jogador, temos a informação de seu poder único que é ativado através de uma combinação específica de cartas indicada (Combo).

Exemplo de Combo.

Além disso, o jogo possui cartas Especiais, Coringas e Fugas. Essas cartas juntamente com os conjuntos de cartas dos personagens escolhidos pelos jogadores para serem utilizados na partida serão embaralhadas formando um baralho único que será posicionado no centro da mesa. Todas as cartas referentes a personagens não utilizados deverão ser devolvidas. Cada jogador  então recebe 6 cartas.

Na sua vez, o jogador deverá comprar 1 carta e decidir entre realizar um Ataque ou Passar. Não há limite de mão no jogo. Para realizar um Ataque, é necessário, no mínimo, ter 1 Arma, 1 Campo de Batalha e 1 Porrada. O jogador pode baixar até um máximo de 6 cartas, declarando previamente seu alvo e quantas cartas serão utilizadas. Das cartas obrigatórias, apenas as de Porrada podem ser utilizadas mais de uma vez.

Tipos de cartas obrigatórias para realizar um Ataque. Elas podem ser de diferentes personagens.
Exemplo de Ataque com 6 cartas, utilizando cartas Especiais.

Além das cartas de Arma, Campo de Batalha e Porradas, os jogadores também podem utilizar cartas Especiais e Coringas. Essa última funciona substituindo qualquer carta, menos as Especiais. O jogador ao revelá-la deverá declarar no lugar de qual carta ela está e com qual valor.

Cartas Especiais que vem no jogo.
Na própria carta Coringa vem o lembrete do tipo de substituição que ela faz.

O jogador alvo do Ataque tem a possibilidade de esquivar utilizando a carta Fuga. Caso contrário, ele é obrigado a se defender utilizando a mesma quantidade de cartas do baixadas pelo atacante. Se não tiver cartas suficientes em mãos para isso, deverá comprá-las do baralho geral até completar o número necessário. As cartas Especiais compradas dessa forma não tem suas habilidades ativadas.

Única forma de escapar de um Ataque sem enfrentá-lo.

O jogador vencedor retorna 1 carta de Porrada para a sua mão e descarta todo o restante, enquanto o jogador perdedor descarta tudo. Em caso de empate, os jogadores escolhem apenas 1 carta para descartar e todo o restante retorna para mão. Se um jogador ficar sem cartas na mão, ele é eliminado da partida. Sua carta de personagem passa para o jogador que o derrotou. Um mesmo jogador não pode ser escolhido como alvo seguidamente.

CONCLUSÃO

O desafio em Porradaria é manter o delicado equilíbrio entre Ataque e Defesa. Partir para o Ataque com tudo pode deixar o jogador vulnerável posteriormente. No entanto, ficar só na Defesa dificilmente levará a vitória. As cartas Especiais acrescentam uma variação adicional com seus efeitos diversos, da mesma forma que os Combos de cada personagem, dando ao jogo boas possibilidades de reviravoltas.

A Estação Q é um estúdio de criação de design, então toda a parte gráfica do jogo é muito bem trabalhada. Eu gostei muito da arte, tanto do traço quanto das cores, achei que representam bem a temática do jogo. Além de deixá-lo com uma identidade distinta e marcante. Porradaria é bastante enxuto não apenas em suas regras e quantidade de cartas, mas também em seu aspecto visual. Uma simplicidade que apenas destaca ainda mais o talento de seus criadores. Não há sobra de elementos, tudo é objetivo e preciso.

Artes das cartas de Arma e Campo de Batalha da caixa 1.
Artes das cartas de Arma e Campo de Batalha da caixa 2.

Quanto a qualidade do material também não tenho do que reclamar. O jogo vem em uma caixa bastante simples, se sleevar as cartas certamente não vai mais caber. Entretanto, a qualidade das cartas é suficientemente boa para dispensar essa necessidade. As cartas foram produzidas pela Copag, que é referência nacional nessa área. Fora que estamos falando de um jogo de baixo custo relativamente, saindo a R$39,90 cada caixa. Lembrando que é um projeto independente, sendo vendido em site próprio.

Porradaria é um jogo para jogar despretensiosamente com a galera. Regras simples, tema envolvente e visual marcante garantem bons momentos na mesa. Uma boa opção para uma diversão rápida para qualquer momento de intervalo ou para um “esquenta” antes de um título maior. Um jogo festivo que cabe no bolso para qualquer hora e lugar.

Confira mais sobre Porradaria assistindo o nosso vídeo:

Compartilhe:

Um comentário em “Análise: Porradaria, da Estação Q”

  1. Pingback: - Turno Extra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *