Análise: Sherlock, da Mandala Jogos

Sherlock é o jogo com a melhor relação custo-benefício que eu já adquiri desde entrei no hobby. É diversão para 3-4 jogadores (não vale a pena para 2 jogadores) por apenas R$35. Como se isso já não fosse suficiente, ele ainda é bonito e possui uma boa qualidade. Com poucos componentes e regras bastante simples, ele consegue transmitir perfeitamente o tema investigativo proposto. Tudo isso em partidas de 15 minutos em média de duração.

Continuar lendo Análise: Sherlock, da Mandala Jogos

Compartilhe:

Análise: Codenames Marvel

Codenames é um party game criado pelo consagrado game designer Vlaada Chvátil, autor de sucessos como Through The Ages, Mage Knight e Galaxy Trucker. Tendo sido lançado em 2015, virou um verdadeiro fenômeno mundial, gerando uma série de derivados. Ao todo a franquia possui até agora um total de 6 títulos lançados e um sétimo já está a caminho. O ganhador do Spiel des Jahres 2016 está em primeiro lugar absoluto no rank do BGG na categoria Party (segundo e décimo também, com Duet e Pictures) e em 44º na categoria Geral.

Continuar lendo Análise: Codenames Marvel

Compartilhe:

Análise: Fotossíntese, Mandala Jogos

Fotossíntese é sem sombra de dúvidas um dos títulos mais impressionantes que joguei nos últimos tempos. Além do sempre apreciado equilíbrio entre simplicidade de regras e profundidade estratégica, ele ainda apresenta uma perfeita integração temática e uma arte que não é apenas belíssima, mas também funcional. Acho que é a primeira vez que vejo realmente uma utilização de componentes 3D ser fundamental mecanicamente em um jogo.

Continuar lendo Análise: Fotossíntese, Mandala Jogos

Compartilhe:

Análise: Amun-Re, da Conclave Editora

Amun-Re é um clássico do badalado game designer Reiner Knizia. É praticamente impossível estar neste hobby sem ter ouvido esse nome ainda. A versão lançada pela Conclave Editora no Brasil é a da Super Meeple, que tem feito um belo trabalho dando aquele merecido upgrade de componentes em diversos jogos consagrados, porém considerados originalmente feios. Já tivemos a oportunidade de conferir sua qualidade anteriormente por aqui com Mexica, também lançado pela editora mineira.

Continuar lendo Análise: Amun-Re, da Conclave Editora

Compartilhe:

Diversão Offline SP 2018: Análise Completa

Depois de três edições bem-sucedidas no RJ, o Diversão Offline partiu para tentar um desafio maior e realizou sua primeira edição em São Paulo nos dias 10 e 11 de março. O Turno Extra acompanha de perto o evento desde sua estreia, tendo visto todo o seu crescimento e evolução. O que é um motivo de imensa alegria, pois acreditamos que um evento desse porte é essencial para expansão do nosso hobby.

Continuar lendo Diversão Offline SP 2018: Análise Completa

Compartilhe:

Análise em vídeo: Karuba, da Conclave Editora

É Jumanji? Não, é Karuba! Um board game rápido, de regras fáceis e com muita estratégia. Karuba é um dos próximos lançamentos da Conclave Editora, que traz para o Brasil este sucesso indicado ao Spiel des Jahres 2016, considerado o “Oscar dos jogos de tabuleiro”.

Continuar lendo Análise em vídeo: Karuba, da Conclave Editora

Compartilhe:

Análise: Dr. Eureka, da Mandala Jogos

Dr. Eureka é um dos family games mais divertidos que joguei nos últimos tempos. Ele é um jogo que trabalha com reconhecimento e construção de padrões em tempo real exigindo dos jogadores destreza e agilidade, tudo isso utilizando apenas tubos com bolinhas coloridas e algumas cartas. A arte de capa é bem infantil e pode afastar alguns jogadores, passando a ideia errada de ser um jogo bobinho, o que está bem longe da verdade.

Continuar lendo Análise: Dr. Eureka, da Mandala Jogos

Compartilhe:

Overdrive: um ótimo jogo em financiamento coletivo

Neste vídeo falamos sobre Overdrive, novo jogo de Moisés Pacheco e Bianca Melyna, que vem para trazer mais uma opção de “dice placement” aos fãs do gênero. Agora com pitadas musicais, o objetivo é ser aclamada como a maior banda de rock em uma batalha digna de grandes festivais. Testamos o protótipo e falamos um pouco sobre o que esperar do jogo. Continuar lendo Overdrive: um ótimo jogo em financiamento coletivo

Compartilhe:

Análise: Por Favor, Não Corte Minha Cabeça, da Geeks N’ Orcs

Como eu já disse anteriormente em outro texto, sinto falta de uma maior diversidade de elementos nos boardgames com temática de terror, tudo acaba ficando resumido a Cthulhu e Zumbis. Adoro ambos, porém acho que já está muito saturado. Existem tantas outras possibilidades para serem exploradas. Então, quando fiquei sabendo sobre o Por favor, não corte a minha cabeça! fiquei  bem animada de cara. Ele tentar uma caminho diferente, fugindo do óbvio.

Continuar lendo Análise: Por Favor, Não Corte Minha Cabeça, da Geeks N’ Orcs

Compartilhe: