Bate-papo sobre a arte do jogo Sereias

Com menos de uma semana de campanha, Sereias conseguiu na última sexta-feira (26) bater 100% da meta no financiamento coletivo. Coincidentemente, no mesmo dia já estava marcada uma live com as responsáveis pelo belo visual do jogo: Mariana Livraes (ilustração) e Jessica Lang (design gráfico).

Continuar lendo Bate-papo sobre a arte do jogo Sereias

Compartilhe:

Análise: Quix! da TGM Editora

A TGM Editora é o braço editorial da Game Maker, empresa que revolucionou a forma de produzir protótipos no Brasil e estabeleceu todo um novo padrão de qualidade no mercado, apresentado ao público na edição carioca do Diversão Offline do ano passado. Eles estavam divulgando seus três primeiros jogos no estande durante o evento, com destaque para um deles, o Quix!

Continuar lendo Análise: Quix! da TGM Editora

Compartilhe:

Análise: Café Express, da Potato Cat

O segundo jogo dos game designers Samanta e Kevin Talarico mostra uma boa evolução em relação ao seu já surpreendentemente bom trabalho de estreia, o Cartas a Vapor. Em Café Express, temos a oportunidade de ver um processo de desenvolvimento 100% original, que não está preso a nenhuma exigência externa. Cartas a Vapor é um jogo baseado no livro de steampunk nacional “A lição de anatomia do temível Dr. Louison”, de Eneias Tavares.

Continuar lendo Análise: Café Express, da Potato Cat

Compartilhe:

[Mês da Mulher] Entrevista com Marina e Paula, da Calamity Games

Para encerrar a nossa programação especial de lives do Mês da Mulher tivemos o prazer de recebermos, mais uma vez, no nosso canal: Marina Miranda e Paula Soares, da Calamity Games. Nós já havíamos conversado com elas cerca de um ano atrás quando do lançamento da editora no mercado e agora tivemos a oportunidade de nos atualizarmos sobre o ocorrido ao longo desse tempo de atividade.

Continuar lendo [Mês da Mulher] Entrevista com Marina e Paula, da Calamity Games

Compartilhe:

[Mês da Mulher] Game designers brasileiras

Sexta-feira, dia 22, nós recebemos para a nossa quarta live especial do Mês da Mulher: Andreza Farias (Casa do Goblin), Sabrina do Valle (Sereias) e Samanta Talarico (Potato Cat) para conversarmos sobre mulheres desenvolvedoras de jogos.

Continuar lendo [Mês da Mulher] Game designers brasileiras

Compartilhe:

[Mês da Mulher] Bate-Papo sobre Jogos Infantis

Quarta-feira, dia 20, nós recebemos para a nossa terceira live especial do Mês da Mulher: Graziela Grise e Isabel Butcher, sócias na editora Curió Jogos e autoras do jogo Macacos Me Mordam, e Mariana Gamberger, do canal Jogando com Crianças, para conversarmos sobre jogos para o público infantil.

Continuar lendo [Mês da Mulher] Bate-Papo sobre Jogos Infantis

Compartilhe:

[Mês da Mulher] Bate-Papo sobre Eventos Femininos

Sexta-feira, dia 15, nós recebemos para nossa segunda live especial do Mês da Mulher: Patrícia Nate, do Lady Lúdica, e Sabrina do Valle, do Board Game Girls. Eventos que, apesar de possuírem o mesmo objetivo, seguem estratégias distintas. O primeiro é misto, enquanto o segundo é exclusivo para mulheres. E isso é ótimo, pois dá opção para todos os gostos e necessidades.

Continuar lendo [Mês da Mulher] Bate-Papo sobre Eventos Femininos

Compartilhe:

[Mês da Mulher] Entrevista com Vanessa Hellen, da Funbox Editora

Vanessa Hellen, da Funbox Editora, é uma das figuras femininas mais importantes do boardgame nacional. Ela foi a minha primeira referência no hobby, e durante algum tempo a única.

Continuar lendo [Mês da Mulher] Entrevista com Vanessa Hellen, da Funbox Editora

Compartilhe:

Especial: Mês da Mulher

Bom, este texto deveria ter sido escrito e publicado antes do Dia da Mulher, mas é como diz o ditado: “Antes tarde do nunca”. Então aqui está o texto que resume a nossa trajetória na data e apresenta a nossa ideia de um mês inteiro mobilizado na produção e divulgação de conteúdo que valorize o trabalho feminino no mundo dos boardgames, além de comentar um pouquinho sobre diversidade.

Continuar lendo Especial: Mês da Mulher

Compartilhe:

Análise: Flamme Rouge, da Conclave Editora

Eu não tenho nenhum grande conhecimento ou até mesmo interesse por ciclismo. Na verdade, eu nem sei andar de bicicleta. Nunca consegui aprender devido a experiências traumáticas em tentativas frustradas na infância. Se me falarem em Tour de France, mais rápido vou me lembrar do álbum do Kraftwerk (banda alemã de música eletrônica) do que da tal famosa prova de ciclismo de estrada. No entanto, mesmo com toda a minha falta de familiaridade com o tema, achei Flamme Rouge um dos lançamentos recentes mais interessantes da Conclave Editora no Brasil.

Continuar lendo Análise: Flamme Rouge, da Conclave Editora

Compartilhe: